O ensino é algo que precisa se renovar constantemente. Especialmente quando se trata do ensino de línguas estrangeiras, a busca pelo melhor método para fazer com que os alunos aprendam se dá por meio de inúmeras pesquisas, e até mesmo com tentativa e erro.

É justamente tentando descobrir como o aprendizado pode ser mais eficiente que as metodologias de ensino foram criadas. Todas elas ainda têm seus defensores, mas é normal que cada época tenha as suas técnicas de ensino mais populares, aquelas que são consideradas as mais inovadoras. Quer saber quais são os métodos de ensinar inglês mais modernos atualmente? Continue lendo nosso post:

As metodologias antigas

Antes de chegarmos ao modelo mais moderno de ensino de inglês, estes foram os principais métodos de ensino pelos quais passamos:

Método de gramática-tradução

Esse foi o método absoluto em todo o mundo por muitos anos: desde o Iluminismo até meados da década de 1960. Nele, o professor é o detentor do saber e cabe a ele repassar o conhecimento linguístico do inglês literário, sempre por meio de memorização de regras gramaticais e tradução de vocabulário.

Método direto

Os defensores desse método acreditam que a única maneira de aprender uma língua é por meio do contato direto com ela. Portanto, as aulas são ministradas totalmente em inglês, cheias de exercícios de conversação. Ainda assim, esses exercícios seguem modelos de pergunta e resposta já preestabelecidos, o que não incentiva a capacidade criativa do aluno.

Método audiolingual

Esse método privilegia o inglês falado, e a modalidade escrita da língua é colocada em segundo plano. Os alunos devem aprender vocabulário e estrutura da língua por meio da memorização e, para isso, são criados exercícios de repetição intensa de frases. Isso também ignora a criatividade e as experiências prévias dos alunos.

Os novos desafios

Observando o desempenho dos alunos nas aulas que seguem cada um desses métodos, alguns educadores perceberam que o maior problema de todos eles é a distância do uso real da língua, ou seja, de um foco em significado e não em estrutura e de uma troca de informações relevantes. Buscando um ensino de língua estrangeira mais efetivo, foi criada a abordagem comunicativa, que ainda hoje é o método considerado o mais atual.

A abordagem comunicativa

Na abordagem comunicativa, o objetivo é apresentar aos alunos o máximo possível de situações de uso real da língua. Assim, o aluno entra em contato com um grande número de gêneros textuais — que vão de cartas e notícias de jornal a músicas e diálogos informais.

Ele também tem a chance de criar seus próprios textos baseando-se em sua experiência de vida, ou seja, contando ao professor e aos colegas fatos que considera importantes. Segundo os defensores desse método, é essa relevância que constitui de fato a comunicação.

Atualmente, esse é o método defendido pelos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). A tendência é que, com ele, o aluno se aproxime do inglês e se sinta mais engajado. Afinal, a diversidade de gêneros textuais incluiria situações das quais ele já está próximo, como seriados e canções pop.

E então, qual desses métodos você usa com seus alunos? Acha que a abordagem comunicativa é a melhor escolha? Acha que ela, como todos os outros, também será substituída no futuro? Curta a nossa página no Facebook e participe de discussões como essa!