A relação entre ensino e aprendizagem já foi vista de maneira unidirecional: como uma mera transmissão de conhecimentos do professor para o aluno. Hoje, sabemos que esse processo envolve uma série de fatores, que muitas vezes vão além da sala de aula.

Uma postura rígida e autoritária passa longe do ideal de professor que os estudantes têm, seja ele de idiomas ou de outras matérias. Afinal, é evidente que esse não é o melhor jeito de conquistar a confiança da turma.

Portanto, entender como cultivar uma relação construtiva em sala de aula pode ser útil tanto para os alunos quanto para a carreira do professor. Pensando nisso, elaboramos os tópicos a seguir para discutir algumas práticas fundamentais nesse sentido. Acompanhe!

Investir no diálogo

O diálogo é a chave para um relacionamento de ensino e aprendizagem construtivo. Quando o aluno se sente confiante para expor suas dúvidas e incertezas sobre os assuntos, o professor pode administrar melhor as aulas.

Dessa forma, estimule o diálogo a partir de suas perguntas e de indagações entre os próprios alunos, com aulas em grupo. Formas alternativas são ótimas para quebrar a rotina e tornar os estudantes mais suscetíveis ao aprendizado.

Como o professor deve se preparar

É preciso transmitir uma postura espontânea e ativa para que os alunos sejam contagiados pela vontade de participar da aula. Para isso, a preparação do professor para ministrar momentos dinâmicos é fundamental.

Além de garantir o que será abordado em sala, exercícios de dicção, feitos antes de sair de casa ou minutos antes de aula, deixam a sua voz mais evidente e facilitam o ensino.

Trabalhar com o feedback dos alunos

Na era da informação, não é surpresa que os alunos já tenham algumas opiniões pré-formadas sobre alguns temas abordados em sala de aula. Isso pode acontecer no ensino de idiomas, por exemplo, já que não são poucos os “métodos secretos” espalhados pela internet para aprender uma nova língua.

Cabe ao professor não ignorar pontos de vista provenientes desse tipo de informação, mesmo que sejam mal construídos. É preciso, ao contrário, trabalhá-los respeitosamente para mostrar ao aluno os erros por trás de dados equivocados e levá-lo ao melhor caminho para o aprendizado eficaz.

Ter transparência nas avaliações

É importante estabelecer uma relação de confiança com a turma, ao deixar clara a pertinência das atividades para o assunto e como os alunos serão avaliados. Em relação ao segundo aspecto, certifique-se de expor todos os detalhes que serão considerados para fazer a avaliação.

Isso gera o clima propício para o ensino e a aprendizagem, uma vez que o estudante estará mais disposto a aprender e o professor conseguirá aperfeiçoar seus métodos pedagógicos.

Manter uma boa aparência

A boa aparência do professor tem influência na segurança transmitida aos alunos. Esse é um detalhe que pode até ajudar a manter o interesse nas aulas. Isso porque a juventude é uma fase marcada pela construção da identidade, e os estudantes procuram se inspirar em pessoas mais velhas que estão ao seu redor no cotidiano.

Não se trata de usar vestimentas e itens caros e altamente sofisticados. Trata-se de, por exemplo, manter uma higiene bucal impecável, não usar roupas muito amassadas e manter uma aparência organizada, no geral (dentro do seu estilo, é claro).

Esses são alguns pontos essenciais que impactam o relacionamento de ensino e aprendizagem. Podemos concluir que o que une todas essas práticas é uma postura empática do professor e disposta a construir um ambiente favorável para o conhecimento.

O que você acha dessa discussão? Já vem aplicando essas estratégias em sala? Acrescentaria mais algum tópico? Deixe o seu comentário!