Quem almeja adquirir novos conhecimentos e avançar em uma carreira acadêmica provavelmente já pensou em fazer mestrado no exterior.

Além de apresentar novos métodos de ensino e inovações no campo de pesquisa, essa oportunidade vem acompanhada de experiências socioculturais ricas, viagens incríveis e, claro, a prática de um novo idioma.

Então, se você não quer ficar para trás e perder essa oportunidade, descubra agora 5 dicas incríveis que facilitarão a sua vida na hora de conquistar um mestrado em outro país!

1. Estabeleça seus objetivos

Para começar, é importante estabelecer seus principais objetivos com a realização de um mestrado no exterior.

Será que seu maior intuito é desenvolver sua pesquisa em uma universidade específica que tenha grande reconhecimento na área? Ou você pensa em estudar fora para melhorar sua fluência em um idioma?

Definir as razões que te levam a buscar um mestrado fora do Brasil darão o norte para iniciar sua jornada.

Afinal, ainda que Harvard seja considerada uma das melhores universidades do mundo, ela pode não ser a melhor opção para seus interesses. No entanto, se tornar-se fluente em inglês for prioridade, além dos Estados Unidos, outros países e universidades podem ser boas opções.

2. Calcule os custos de se fazer um mestrado no exterior

Ainda que você decida de onde partir, um obstáculo comum costuma ser o valor gasto durante o período de estudos. Isso porque, para um brasileiro, converter os custos para dólares, euros ou libras pode resultar em gastos muito altos, se comparados ao custo de um mestrado no Brasil.

Sendo assim, vale lembrar que muitos países oferecem bolsas para estrangeiros — parciais ou integrais —, que facilitam muito embarcar nesse novo projeto.

Algumas delas estão vinculadas a um programa de mestrado específico, outras estão atreladas ao país de destino e há, ainda, algumas que são específicas para os países de origem do candidato bolsista. Portanto, fique atento às oportunidades!

3. Descubra os benefícios para brasileiros

O governo brasileiro, por exemplo, possui convênio com 26 países que fornecem tanto bolsas de estudos para estrangeiros, como permitem a aplicação para o programa oficial de bolsas do país em questão. Entre eles, estão Canadá, Alemanha, Áustria, China, Colômbia, México, França e até Marrocos.

Na Alemanha, por exemplo, o DAAD (Deutscher Akademischer Austauschdienst) custeia parcial ou integralmente cursos nas áreas de engenharia, economia, veterinária, administração, dentre outras. Já o México possui um programa específico para latino-americanos vinculados a instituições específicas ao redor do mundo.

4. Prepare os documentos com antecedência

Apesar de as especificidades de cada programa de mestrado, a maioria exige documentos parecidos. É possível variar tanto no nível das exigências quanto na quantidade de documentos solicitados.

Quem deseja fazer mestrado no exterior já pode começar a separar os mais comuns. São eles:

  • currículo profissional;
  • currículo Lattes;
  • histórico de notas da graduação;
  • cartas de recomendação;
  • certificado de graduação;
  • outros certificados pertinentes à área de pesquisa;
  • projeto de pesquisa a ser realizado durante o mestrado;
  • documentos de identificação, como passaporte.

5. Comprove a proficiência no idioma

São poucos os programas de bolsas e mestrados que não exigem testes de proficiência no idioma utilizado para os estudos. Muitos deles cobram a comprovação de, ao menos, um nível intermediário da língua, conforme indicação do CERF.

Por isso, é interessante que os candidatos realizem as provas específicas, que são bem-aceitas ao redor do mundo. No caso do inglês, as certificações mais comuns são o TOEFL e o IELTS. Para o espanhol, é comum a exigência do DELE. No caso do francês, a certificação pode ser obtida pelo DALF. 

Além disso, os processos seletivos podem exigir ainda entrevistas e provas com conteúdos específicos. Portanto, é extremamente relevante que o candidato continue se dedicando ao idioma, praticando a conversação e também o listening.

Pode parecer tudo muito difícil, mas, uma vez em que seu objetivo está traçado e sua estratégia bem determinada, o sonho de fazer mestrado no exterior fica muito mais acessível.

Gostou do post? Para receber outras dicas como essas e se preparar bem para esse momento, curta nossa página no Facebook e fique por dentro das novidades do blog!