O planejamento financeiro para empreendedor é uma das primeiras etapas que deve ser pensada, antes de arquitetar formas de aumentar o patrimônio, já que é necessário arrumar a casa e colocar a vida financeira em ordem.

Nosso objetivo com este artigo é mostrar algumas dicas simples e práticas, que você pode começar a aplicar a partir do término da leitura. Elas ajudarão você a organizar a suas finanças e a dar um up em seus investimentos financeiros, garantindo excelentes recursos para os seus negócios. Acompanhe e entenda.

Realize um planejamento orçamentário

Investir em um negócio é uma tarefa que gera retornos, no entanto, eles podem demorar para aparecerem de forma mais volumosa, portanto, é preciso ter um pouco de calma para esperar os resultados chegarem. Por esse motivo, é tão importante se discutir o planejamento orçamentário.

Investir o seu dinheiro e ficar esperando os resultados de um negócio pode ser extremamente arriscado, uma vez que ele pode não dar certo. Portanto, é essencial que você tenha um planejamento orçamentário de, no mínimo, 24 meses, que é considerado o tempo ideal para que um negócio comece a gerar resultados.

O objetivo do planejamento orçamentário é sustentar a empresa até que ela comece a dar os resultados esperados, ou ainda, em um cenário pessimista, cobrir possíveis gastos imprevistos. Não ter um lastro financeiro planejado para suprir a necessidade de recursos do negócio em certas ocasiões pode significar o fim de uma empresa em pouquíssimo tempo.

Separe as finanças pessoais e as empresariais

Isso é uma questão que envolve um altíssimo nível de consciência empresarial, afinal, as vezes, é extremamente difícil deixar de pegar aquele trocadinho no caixa, ou pagar a despesa de água, luz ou telefone da empresa, porém, isso é uma atitude extremamente condenável e você jamais deve executá-la.

As suas finanças pessoais jamais podem se confundir com as da empresa. Além de ser um princípio administrativo básico, que pode, inclusive, gerar problemas judiciais, quem mistura as contas pode bagunçar completamente a gestão do negócio.

Isso pode ser percebido facilmente fazendo uma análise simples: como você conseguirá avaliar um relatório de despesas se, na mesma peça, constam gastos que não foram utilizados na operação da organização?

Quem confunde finanças pessoais com empresariais, geralmente, não tem muito controle sobre o seu negócio e corre sérios riscos de sofrer as consequências em um curto espaço de tempo.

Corte gastos supérfluos

Sabe aqueles serviços ou produtos que você consome, mas sobre os quais tem dúvidas se são realmente necessários e se colaboram com as atividades que você executa no seu negócio? A partir de hoje, passe a observá-los mais de perto e veja se não são gastos supérfluos que podem ser cortados.

Acredite, existem muitos gastos passíveis de serem suprimidos ou, pelo menos, reduzidos — contas que não contribuem em nada para o ambiente de trabalho ou para o aumento nas vendas ou serviços.

Porém, é preciso ter cautela ao realizar cortes. Muitos empresários, movidos por um sentimento de “corte de custos”, acabam reduzindo gastos que são necessários para manter a qualidade das atividades realizadas em sua empresa.

Portanto, tenha cuidado com isso. Por exemplo, se você necessita de uma equipe de 2 recepcionistas para atender à sua demanda de clientes de forma adequada, não tente fazer todo o trabalho apenas com uma, já que isso pode prejudicar severamente o atendimento no seu estabelecimento.

No entanto, se é possível desligar ou diminuir o tempo de utilização dos aparelhos de ar-condicionado em determinadas épocas do ano em que o clima é mais ameno ou frio, não hesite em tomar a ação.

Esses são apenas alguns exemplos simples da forma correta de se realizar corte de gastos em uma empresa. 

O importante é que você saiba identificar o que pode prejudicar a qualidade dos seus serviços e o que realmente é supérfluo e não interferirá, nem mesmo indiretamente, na sua atividade principal.

Acompanhe as operações financeiras

Outro fator essencial para o planejamento é o controle nas operações financeiras. Esse é o ponto-chave de todo o processo que está sendo discutido neste artigo. Não há como realizar um plano ou uma estratégia voltada ao crescimento de um negócio sem analisar e controlar as suas finanças.

Para tanto, você pode alocar um colaborador que tenha habilidade para realizar esse tipo de controle e, periodicamente, analisar a evolução das suas finanças, os pontos que geraram mais saída de recursos, bem como as ações que geraram mais receitas.

Com base nesses dados, você poderá identificar exatamente os gargalos que consomem a renda do negócio, bem como as situações que são mais lucrativas e, assim, gerenciar as finanças de forma controlada, gerando receitas e reduzindo gastos.

Esse processo é o que chamamos de gestão financeira, uma das estratégias mais eficientes para controlar a entrada e saída de recursos de um negócio.

Cultive o hábito de poupar e investir

Muitos empresários negligenciam o poder de uma boa reserva de recursos mensais, no entanto, fazer isso pode significar a salvação do seu negócio em um período de dificuldade, ou simplesmente, facilitar o investimento em melhorias no seu estabelecimento, fazendo com que ele cresça e desenvolva-se.

No entanto, o grande erro e principal motivo de muitos empresários não enxergarem o resultado de suas economias é que muitos aplicam esse dinheiro na poupança, o que é um equívoco, se você deseja ver esse montante crescer com o passar do tempo.

Esse tipo de investimento deixou de ser o mais seguro e vantajoso há muitos anos. Atualmente, existem aplicações financeiras que oferecem garantias tão grandes como a poupança, no entanto, com rendimentos consideravelmente superiores.

Como se isso não fosse suficiente, os bancos e instituições financeiras que comercializam esses títulos têm criado formas de atender a todo o tipo de público, tornando os investimentos mais acessíveis, mesmo para aqueles que não têm conhecimento ou tempo para aprender sobre eles.

Poupar e investir recursos é uma estratégia poderosa para assegurar a saúde financeira da sua empresa e garantir o seu crescimento.

Essas foram as dicas de planejamento para empreendedores, agora é com você! Aplique cada uma delas em seu negócio e comece a mensurar os resultados. Lembre-se, no entanto, de que o conhecimento, sem uma atitude orquestrada e planejada, é praticamente inválido, portanto, comece a agir agora mesmo.

Gostou dessas dicas sobre o planejamento financeiro para empreendedor? Que tal continuar aprendendo sobre negócios e investimentos? Então conheça 5 vantagens de investir em uma microfranquia.